BLOG

ACUPUNTURA (MTC)


Falar sobre Acupuntura de forma simples e fácil para leigos é sempre um desafio. Eu mesma já escrevi muitos textos explicativos, especialmente sobre Medicina Tradicional Chinesa (MTC), mas costumo ter dúvidas sobre a compreensão do leitor. Por isso escolhi este trecho do trabalho de conclusão de curso das pesquisadoras Adriana Lisboa e Ana Demétrio Nascimento. Espero que o texto cumpra o seu papel explicativo sobre a Acupuntura, já que as solicitações são a respeito desta. Mas saliento, para aqueles que ainda não estão familiarizados com a teoria oriental, que esta é apenas uma das técnicas da Medicina Tradicional Chinesa. Em meu consultório uso ainda das seguintes técnicas: Auriculoterapia, indicação de alimentos da dietética chinesa, fitoterapia, manobras de shiatsu e ainda do Método Sheng de Perfis de Personalidade,  método que venho desenvolvendo ao longo de alguns anos. Porem a escolha da técnica dependerá das particularidades e necessidades do paciente. Sobre Medicina Tradicional Chinesa A Medicina Tradicional Chinesa (MTC), tem como foco a vida saudável, a saúde, que deve ser mantida e tratada preventivamente. O princípio da MTC é o equilíbrio de energia no corpo, manter o fluxo equilibrado, sem bloqueio, má distribuição ou de forma incorreta.  (Auteroche e Navailh (2004)). Neste ponto de vista, a doença é resultado da ocorrência de fenômenos diferentes e simultâneos, que provocam desarmonia global, ou seja, nas relações do homem com a natureza, sua família e os semelhantes.  Nakano e Yamamura (2005) afirmam que a concepção da MTC sobre os órgãos é diferente da Ocidental. Consideram-se três aspectos distintos: o energético, o funcional e o orgânico; os dois últimos correspondendo à fisiologia, à histologia e à anatomia patológica estudadas no Ocidente; o enfoque energético é sui generis quer na característica Yang/Yin, quer nas funções que essas Energias exercem ao nível somático e mental. A MTC denomina de Zang Fu o estudo dos órgãos e vísceras sob esses três aspectos.  Na questão de crenças chave da MTC, para Focks (2005) se incluem: Qi (energia) é a vida, Qi é o coração da medicina. Vida e Medicina são uma só coisa. A saúde é um estado de bem-estar em que o corpo é vital, equilibrado e adaptável ao seu ambiente. A doença é desarmonia/desequilíbrio e perda de adaptabilidade (um defeito da função/ energia). Conforme Focks (2005), os sintomas dos desvios do corpo são manifestações da tentativa do corpo para curar-se, portanto, as mensagens, os sinais de problemas subjacentes, autônomo, ou sinais de que algo precisa de equilíbrio. Quanto às causas das doenças, relacionam-se com qualquer ação/ força que interfere com o equilíbrio e o movimento de bio-energia: constituição, psique, estilo de vida, trauma, estresse ambiental (da natureza ou do ser humano). Quanto à responsabilidade do paciente, as mudanças energéticas principais são funções de uma psique e estilo de vida, e para prevenir doenças graves se atua basicamente com autocuidado. Segundo Min (2009), a deficiência de Qi é uma desarmonia básica bem conhecida na MTC. Ao longo da história, acumularam-se experiências clínicas empíricas para seu tratamento. A Acupuntura tem vários pontos para corrigir a deficiência de Qi, que podem ser usados de forma combinada  com suas demais técnicas. Sobre Acupuntura


Derivada dos radicais latinos acus e pungere, que significam agulha e puncionar, respectivamente, a Acupuntura visa à terapia e cura das enfermidades pela aplicação de estímulos através da pele, com a inserção de agulhas em pontos específicos, chamados acupontos (MAN, 2000). Para Wen (2005, p. 9) “a Acupuntura é o conjunto de conhecimentos teórico-empíricos da MTC que visa à terapia e à cura das doenças através da aplicação de agulhas, além de outras técnicas”.  Há mecanismos neurológicos e neuro endocrinológicos e a técnica milenar tem provado ser eficaz em relação aos sistemas alérgico e imunológico e mesmo sendo uma ciência antiga, continua sendo um campo aberto à pesquisa e a novos saberes. Assim, ao longo do tempo, houve muitas inovações quanto a princípios, meridianos e pontos (WEN, 2005). Ampliando a compreensão sobre Acupuntura, Nakano e Yamamura (2005) argumentam que os princípios que fundamentam a Acupuntura baseiam-se nas teorias do Yang/Yin, dos cinco movimentos, dos Zang Fu (órgãos e vísceras), dos oito princípios ou critérios e dos seis fatores. A teoria do Yang/Yin relaciona-se com o conceito básico e fundamental de todas as ciências orientais e que corresponde à condição primordial e essencial para a origem de todos os fenômenos naturais como, por exemplo, o princípio da energia e da matéria.  O Yang equivale à energia – calor, movimento, força, expansão, etc. –, enquanto o Yin representa o oposto – frio, repouso, escuridão, etc. Por meio da Teoria dos Cinco Movimentos – Água, Madeira, Fogo, Terra, Metal – procura-se explicar os processos evolutivos da natureza, do universo, da saúde e da doença (NAKANO; YAMAMURA, 2005). Segundo Nakano e Yamamura (2005), na fisiologia energética humana, os cinco órgãos essenciais (coração, pulmão, fígado, baço/pâncreas e rins), representantes dos cinco movimentos, comandam estruturas e promovem o dinamismo das atividades físicas e psíquicas e são estruturas essenciais do organismo, responsáveis pela formação, crescimento, desenvolvimento e manutenção do corpo físico e da mente. Pode parecer, a princípio, considerando os cinco elementos e seus desdobramentos, que a Acupuntura é muito complexa, contudo, ela é uma prática que se tornou popular desde a China antiga e ainda hoje se conserva por ser relativamente simples na sua fundamentação teórica, aplicação e aprendizagem (WEN, 2005).  Em outros termos, a base da Acupuntura está na estimulação de determinados pontos do corpo com agulha (Chen) ou com fogo (Chui), a fim de restaurar e manter a saúde (NAKANO; YAMAMURA, 2005).   A estimulação de determinados pontos se relaciona aos aspectos energéticos dos órgãos e das vísceras, conhecidos como Zang Fu, são responsáveis pela integridade do corpo, de modo que quando há harmonia energética, as funções psíquicas, bem como as dos órgãos/vísceras e das demais estruturas, apresentarão bom desempenho funcional (SILVA JUNIOR, 2005). A Acupuntura não somente aborda os aspectos funcionais dos seus pontos, mas também as diferentes funções dos meridianos Jing Luo, que representam o importante sistema de consolidação e de comunicação dos Zang Fu com a parte somática, condicionando, na sua trajetória, a forma física do ser humano. O uso das ervas medicinais, ao lado das agulhas, tem a finalidade de fortalecer a matéria e a energia, repor as mesmas quando houver falta (WEN, 2005).  Ao tratar da parte somática, abordada por Wen (2005), ressalta-se que: “Reconhecer as alterações produzidas na forma física pelos canais de energia é saber reconhecer o estado energético dos órgãos e das vísceras, e, por conseguinte, o meio mais adequado para o tratamento” (YAMAMURA, 2003, p. 6). Fonte: http://www.firval.com.br/ftmateria/1411747923.pdf

Acupuntura no Tratamento da Insonia: Uma Revisão Bibliográfica – Centro de Estudos Firval – Faculdade de Educação, Ciência e tecnologia. Adriana Rodolfa ferreira Lisboa e Ana Paula Cucinello Demétrio Nascimento.

1 visualização
 

©2020 por Kátia Debus.