27 de maio de 2019

Parábola dos potes de barro

Haviam dois grande e belos potes que, num canto do quintal, falavam entre si:

- Ah, que tédio! Que vida! Viver aqui, exposto a tudo, sol, vento, chuva, calor... Por mais que eu me proteja, como sobreviverei? Aqui estou perfeitamente tampado, lacrado para proteger-me e ainda assim sinto-me ameaçado, vazio. Não vejo graça em estar aqui.


Tranquilamente, retrucava o outro pote:

- Veja, eu encontro-me aqui, aberto, nada me protege a boca, ou melhor, o meu interior. Cai a chuva, eu recebo-a. Vem o vento, eu sinto-o bem dentro de mim. Vem o sol e me leva as gotinhas que retornam para o céu. E nem por isso sinto-me ameaçado...

- Ora, grande vantagem! Seu interior não guarda mais a cor original como o meu, sua cor é cada vez mais diferente. Você não é mais o mesmo...

- Sim, e isso me alegra! O meu interior transforma-se a cada dia, à medida em que novas coisas penetram-me. Posso sentir cada criatura que me visita e cada uma delas deixa algo de si para mim, assim como deixo para elas, pouco a pouco, a minha cor.

- É, mas você não tem mais paz, a todo instante você é solicitado, carregam você todo o dia para levar água, ao passo que eu permaneço no meu lugar. Ninguém me incomoda, quando aproximam-se, já sei que é a você que eles querem.

- Sim, se solicitam-me é porque tenho algo a dar e o que dôo não é diferente do que você pode dar. Deixo-me encher pela água da chuva, que cai tanto sobre mim quanto sobre você. Encho-me até transbordar. Outros seres precisam desta água e eu os sirvo. Esvazio-me e deixo-me encher de novo, assim minha vida é um constante dar e receber. Enquanto isso, desinstalo-me, saio do meu pequeno mundo e vou ao encontro de outros mundos. Já conheci potes diversos, animais, pessoas, tantas coisas e seres! E cada uma faz-me perceber ainda mais o pote que eu sou.

- Não sei, se continuar assim, brevemente serás um pote quebrado, gasto, e então de que adiantará tudo isso?

- Creio que se me desgasto a cada dia é para ser possível levar vida a outros seres. Vejo que o mais importante não é ser um pote intacto tal como fui feito, mas um pote de valor como estou tornando-me. Se vou durar pouco tempo não importa, se o pouco que eu viver tiver sentido trouxer-me alegrias e fizer-me sentir cada vez mais o que é ser pote, isso me basta....

Já era tarde, o sol já havia escondido-se quando os dois cansaram-se de falar. O pote aberto, sentido-se cansado logo adormeceu, o que não foi possível para o outro pote, ele não conseguira dormir, pois algumas palavras ditas pelo companheiro viam-lhe à mente e não o deixavam em paz.

TRANSFORMAR O INTERIOR! ...PAZ!...ESVAZIAR-SE!..DEIXAR-SE ENCHER! DEIXAR ALGO DE SI! ...SER POTE!...DESINSTALAR-SE!...SER FELIZ!... SER ÚTIL.. LEVAR ALEGRIA... HUMILDADE! PACIÊNCIA...MANSIDÃO.. SENTIR... 

Na manhã seguinte, enquanto um pote acordava, outro dormia, porque fora grande o seu esforço para tirar a tampa que o acompanhava por tanto tempo.


Do livro: As mais belas Parábolas de todos os tempos - 
Alexandre Rangel. 



22 de maio de 2019

Bate-papo – Escola das Famílias na Casa do Bem


Primeiro encontro
Queremos cuidar ou queremos proteger? 

Neste encontro a ideia é clarear a diferença entre a ação que cuida e a ação que protege e o quanto a escolha de uma forma mais cuidadosa do que protetiva faz diferença para um tranquilo desenvolvimento. 
Para esclarecermos  esta questão,  estaremos contando  como  a atitude  de cuidar, ao logo das fases do desenvolvimento, pode  estimular um livre desabrochar da confiança. Algo tão básico e fundamental  para  um livre despertar de muitas outras aquisições e habilidades dos nossos filhos.  
Muito pode ser feito  para que estes anos sensíveis sejam  bem desfrutados e abram espaço para que a criança de hoje seja o adulto saudável e pleno de amanhã.  E é por este motivo que convido a pais e cuidadores para virem debater comigo e com a minha colega Maria Ester Vieira – Arte terapeuta.

Onde: Rua Auxiliadora 210 – Auxiliadora - PoA
Data: 24/05 as 17hs
Custo:  R$ 30,00 para pais da Aldeia encantada e meus pacientes
            R$ 50,00 publico em geral



Cada vez mais vejo o quanto pais atentos buscam informações que contribuam para um bom desenvolvimento  de seus filhos e isso faz uma grande diferença.
Eu trabalho com adultos e adolescentes, mas a alguns anos venho me dedicando ao estudo mais aprofundado das fases do desenvolvimento infantil e fazendo links com o que aparece de dificuldades nas atuais experiencias dos meus pacientes. 
Nos acompanhamentos vejo inúmeras questões relacionadas a experiencias vividas ao longo do desenvolvimento. Como cada um chega a sua adolescência, e o que vai aparecer na crise normativa desta fase,  depende muito do vivido anteriormente.
Cada fase do desenvolvimento  promove uma serie aptidões e estas vão aprontando a criança para o desenvolvimento  e novas aquisições das próximas fases.
O bebê vai se formando, se desenvolvendo fisicamente e psiquicamente, dando nuances a qualidade do seu emocional. A criança vai dando  tchau ao bebê e dando tons ao seu colorido. A criança vai passando por cada fase e se desenvolvendo mais e mais, adquirindo mais coloridos e a experiencia da adolescência  permite a definição de um colorido próprio, único,  que se firmará no adulto.
Neste processo lindo, a família tem um grande papel, os cuidadores, os educadores  envolvidos são o suporte e também a fonte de estímulos que vai propiciando as aquisições.
Tudo isso vai acontecendo de uma forma tão natural. Haverão pequenos desafios que pedirão desabrochar de aptidões.
Para quem não está bem informado ficam mais visíveis as questões físicas, mas isto é um processo do todo  dos nossos filhos, que  vai se desenvolvendo em conjunto. Um desafio físico ou comportamental surge e se for vencido promoverá o desenvolvimento de uma habilidade emocional ou cognitiva. Está tudo ligado.