26 de março de 2014

Além do certo ou errado

Assuntos que envolvem escolhas acertadas ou erradas  sempre me chamam muito a atenção e me fazem pensar. Normalmente me pego revisando conceitos,  especialmente sobre as exigências da “cartilha social” que nos é atribuída. Certo, para quem? Errado?

Na semana passada, acompanhando uma pessoa afetada pelo filme Diana (Oliver Hirschbiegel), presenciei um intenso e lindo trabalho pessoal. Nada que eu pudesse aqui descrever, mas sim agradecer pela oportunidade.

No dia seguinte assisti o filme e, apesar da sua simplicidade e até superficialidade, reconheci que  a naturalidade de cada um dos personagens e as suas convicções eram o ponto da questão.

Estamos falando aqui de escolhas pessoais que buscam preservar a identidade, algo precioso, difícil e, normalmente, com seu custo.  É, a vida é feita de escolhas e o certo e o errado só pode definir quem as faz.  

Mas bonita mesmo é a frase final do filme, esta me tocou.

Em algum lugar, além do certo e errado, existe um jardim. 
Encontro você lá. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário