26 de março de 2014

Além do certo ou errado

Assuntos que envolvem escolhas acertadas ou erradas  sempre me chamam muito a atenção e me fazem pensar. Normalmente me pego revisando conceitos,  especialmente sobre as exigências da “cartilha social” que nos é atribuída. Certo, para quem? Errado?

Na semana passada, acompanhando uma pessoa afetada pelo filme Diana (Oliver Hirschbiegel), presenciei um intenso e lindo trabalho pessoal. Nada que eu pudesse aqui descrever, mas sim agradecer pela oportunidade.

No dia seguinte assisti o filme e, apesar da sua simplicidade e até superficialidade, reconheci que  a naturalidade de cada um dos personagens e as suas convicções eram o ponto da questão.

Estamos falando aqui de escolhas pessoais que buscam preservar a identidade, algo precioso, difícil e, normalmente, com seu custo.  É, a vida é feita de escolhas e o certo e o errado só pode definir quem as faz.  

Mas bonita mesmo é a frase final do filme, esta me tocou.

Em algum lugar, além do certo e errado, existe um jardim. 
Encontro você lá. 

19 de março de 2014

Encerrando ciclos

Conseguir encerrar um ciclo, pode ser tão difícil quanto foi ter energia para iniciar.  Você pode não se sentir preparado, mas pode estar pronto.  Pronto porque, de  verdade,  algo só se encerra quando “deu tudo o que tinha que dar”, se esgotou.

Porem, admitir isso pode ser penoso para quem remete o término ao abandono de algo.  Todo término tem sua porção de abando, mas pode ter muito mais de renovação. Depende de você.

É, eu sei que terminar dá trabalho.  Fazer diferente exige repensar, adaptar, ter que ser criativo para continuar crescendo, mas também desacomoda e oferece infinitas outras possibilidades.

Além disso, não lastime o que fica para traz, nunca se sai de uma etapa sem ser afetado pela experiência. Afetado em todos os sentidos da palavra. Cada situação vivida ensina, agrega conteúdos a bagagem e nos transforma um pouco.

Agora você é a mesma pessoa que iniciou e com mais, o mais do encontro com o outro, das situações experimentadas.  O que se viveu fica, não se perde nunca!


Então se encoraje e de espaço para o novo.   E vale a lembrança ... se chorei ou se sorri, o importante é que emoções eu vivi... 

11 de março de 2014

Resposta a uma pessoa magoada.


Todos temos falhas.  Ao ler o teu e-mail lembrei de uma pessoa muito simples que me disse: defeito todo mundo tem, o problema é que a gente não presta atenção neles.  E é verdade! Nós as vezes idealizamos as pessoas, especialmente as que amamos. Achamos que tais pessoas nunca deixariam suas “sombras” nos atingirem e isso não é verdade. O lado mais frágil de cada um de nós é capaz de coisas que não se pode prever.
 
Eu também vivo momentos de desilusão, com as pessoas e comigo. Depois, como de costume, acabo me dando conta de todo o tipo de influência que nos conduz aos erros. Tem tanto de medo nas “burrices” que se faz por aí.  Medo de não ser aceito, de ser desvalorizado, de não ser amado...não importa qual o tipo.
 
Nada justifica, mas ajuda quando entendemos que muitas ações são fruto de experiências anteriores e estas, as vezes, acionam comportamentos inexplicáveis. Portanto tente não ser tão dura, pois quando penso nos tropeços que as pessoas amadas nos dão, tento me dizer: quem dera eu pudesse não errar.

Sim, não tenho dúvidas que as pessoas estariam muito melhores se olhassem para si e dedicassem um pouco do seu tempo ao seu lado mais “cru” e pequeno. Não só as pessoas, mas a nossa sociedade estaria muito melhor! As convivências estariam muito melhores, o mundo...

Bem querida, decepção sempre nos afeta e dói.  Tente pensar que não somos perfeitos e com um tanto de carinho, veja como pode lidar com estas “inhacas”, porque tenho certeza que isso que esta pessoa fez não é o todo dela e sim uma parte “frágil” do seu caráter.

Pois que atire a primeira pedra – eu que não – quem for tão puro!

10 de março de 2014

Bate-papo com Adolescentes


“Músicas que falam por mim”.  Um encontro no qual as suas músicas preferidas serão a sua fala.

A ideia é que cada participante traga uma ou duas músicas que falem do seu momento atual para compartilhar com o grupo.
Esta atividade visa facilitar a interação, desenvolver e valorizar espontaneidades, trabalhar receios de expressões e, dentro do possível,  fazer “pontes terapêuticas” com os conteúdos das músicas.


O Bate-papo com Adolescentes é um momento de apoio e desenvolvimento. A intenção é levantar as questões de emergências do grupo e acolhe-las, “papeando” sobre elas.


Convide seu filho, sua filha!

Quando: Dia 20/03/2014 as 14hs. 
Onde: Rua Freire Alemão 366 Mont Serrat.
Evento sem custo - É necessário inscrever-se com antecedência e informar-se sobre a atividade. 
Telefone: (51) 33337052 com Edineia.