29 de outubro de 2013

Mas o que azeda um relacionamento?


O que azeda um relacionamento não é a quantidade de problemas que o casal enfrenta. É, sobretudo, o significado que cada um dá aos gestos e palavras do outro: o que conta é a escuta de amor ou desamor, de confiança ou desconfiança com o que se ouve do parceiro. Ao passar por este filtro, uma fraqueza do parceiro poderá ser inscrita no registro da ternura ou do rancor, uma pergunta poderá ser entendida como uma demonstração de interesse ou de controle. E é comum que, com o desgaste do cotidiano, dentro de cada um se instale um "sabotador", espécie de Rei Midas ao contrário, que tem o dom de azedar tudo que vem do parceiro - até aquilo que antes encantava.

Assim, o gesto que na fase da conquista, era interpretado como convite a um encontro agora pode ser encarado como movimento de invasão.

Não precisa ser assim. Se o relacionamento do casal tiver como base a confiança e não o ressentimento, é possível acreditar que o outro é fundamentalmente bem intencionado - embora muitas vezes desajeitado.

Lidia Aratangy 

23 de outubro de 2013

Bate-papo com Adolescentes dia 31/10

Convide seu filho, sua filha! 
Inscrições no telefone: (51) 33337052
Tema: "E o que pensam de mim, importa?" 
Quando: Dia 31/10/2013 as 14hs.  
Onde: Rua Freire Alemão 366 Mont Serrat.  
Evento aberto - É necessário inscrever-se com antecedência.



Vivemos um tempo de  "culto ao corpo e a imagem”.  Os padrões que a sociedade impõe, principalmente através da mídia, estimulam uma busca inesgotável pelo corpo perfeito, pela aparência de forte, feliz, bem sucedido etc...

Existe uma lógica que alimenta isso e não se mostra, mas está presente nos desejos de “melhor imagem”, uma lógica que inibi e exclui quem não se sente tão bom, tão valente, tão capaz....

Nossos jovens vivem um momento cultural e refletem este dilema em suas vidas, especialmente nas formas de se relacionar. Uns buscando poder ser o esperado e outros fugindo do esperado.

Eles são espertos e sabem que estão a mercê de um tipo de cobrança que aceita ou rejeita e isto explica muitos dos seus comportamentos e problemas. Problemas que nascem da impotência de reagir e da falta de clareza sobre as suas próprias forças para dizer não.

Não tem nada de mais se preocupar com a estética, seja qual for a adotada. Se cuidar, fazer exercícios, cuidar a alimentação é algo muito saudável. O problema só acontece quando este cuidar é excessivo a ponto de destorcer o que realmente é importante.
    
Na tentativa de ajudá-los lanço mais um Bate-papo com Adolescentes. Um encontro descontraído e leve para falarmos sobre o corpo, a imagem, a importância da aparência.

O objetivo destes encontros sempre é tentar ampliar  a visão, despertar questionamentos e ouvi-los.  Espaço necessário, no qual qualquer pitada de reavaliação já é considerada sucesso.

11 de outubro de 2013

Tratando a Tensão Pré-Menstrual

A TPM é uma condição que se manifesta apresentando uma ampla variedade de sintomas físicos e emocionais, que ocorrem antes do período menstrual. Os sintomas mais comuns são: depressão, tristeza, choro involuntário, impulsividade, crises de raiva, insônia, distensão abdominal, dor nas mamas e nas costas, peso nas pernas e enxaquecas diversas.  Sintomas que variam de intensidade e permanência, que dependem do tipo de desequilíbrio e perfil constitucional da paciente.
Eu costumo dizer que a TPM é uma vilã periódica, que chega de mansinho e pode transformar a vida de uma mulher em um verdadeiro caos.

Normalmente as mulheres começam a ter os sintomas e não atribuem a TPM, é por isso que não tomam providencias.

Acontece, mais ou menos, assim: você anda furiosa ou excessivamente queixosa e preocupada, um “porre” de lidar, nem você mesma se aguenta, tudo é motivo de desentendimento ou de drama. Aí você sente que a menstruação desceu e... Ai que alívio, tudo passa! Acontece que até passar se foram dez ou quinze dias e isso é muito tempo em desarmonia.

É preciso prestar atenção nos seus ciclos.
A TPM pode se confundir facilmente com o estresse produzido pela vida moderna, porem esteja atenta, pois é uma síndrome que se repete todo o mês, na esma época.  Além disso, a sua intensidade é tanta que pode ser confundida com problemas psicológicos maiores ou com algumas doenças físicas.   

Mas o que acontece com a mulherada?
No período da ovulação até a menstruação ocorre muita alternância no organismo, uma verdadeira gangorra hormonal. Quando a mulher está frágil, em algum aspecto energético, é fácil se desequilibrar nesta fase do ciclo.  Isto acontece porque após a ovulação e a não fecundação do óvulo as mulheres entram na fase que levará a menstruação. A pré-menstruação é um período de acumulo de tensão, a fim de expulsar a retenção de tecido que, sem a fecundação, não terá utilidade. Portanto um certo nível de tensão é natural e faz parte do processo. O que não é natural e deve ser tratado é tensão excessiva que desencadeia uma série de sintomas.

É importante que esta informação chegue as mulheres que apresentam altos e baixos periódicos e significativos. Hoje em dia existem muitos tratamentos para a Tensão Pré-Menstrual.

O tratamento com Acupuntura

Acupuntura é uma prática muito usada para os distúrbios e desarmonias femininas, tendo um ótimo resultado tanto no tratamento da TPM como da Menopausa e outras problemas decorrentes do bom equilíbrio do ciclo menstrual. Sua eficácia está em visar o restabelecimento do equilíbrio geral – psíquico/físico/energético.  Além disso, a acupuntura promove um pronto alívio dos sintomas, pela sua rápida regulação do sistema hormonal e energética.


5 de outubro de 2013

A "traição" é o final do amor?

Ontem, enquanto conversava com uma pessoa que está sofrendo com, segundo ela a infidelidade de seu/a companheiro, lembrei  deste pequeno texto da professora Suely Rolnik.  Ele faz parte dos meus estudos no grupo Amores e Paixões com o colega Cesar Koefender.

Será que o amor acabou?
É possível, pois o amor pode acabar e isso acontece quando as vidas dos amantes deixam de se expandir e de fazer sentido unidas, mas não necessariamente a “traição” acontece quando tudo está acabado. Muitas vezes ela está expressando um distanciamento e uma crise.

Segundo a Profs. Suely é impossível generalizarmos. Às vezes a traição pode ser o sintoma de que acabou mesmo,  mas outras vezes pode sinalizar que algo não anda bem e estimular o casal   a enfrentar as dificuldades e reinventar a relação.  A traição é nefasta no caso de pessoas "galinhas", que têm necessidade de confirmar o ego infinitamente, vivem traindo e são incapazes de fazer alianças reais.  Saber o que fazer, quando se trai ou se é traído, depende de avaliar  o quanto a traição abre vias para a expansão da vida ou para sua estagnação. Para isso temos que agüentar o sofrimento e escutar o que ele diz,  senão permaneceremos prisioneiros do medo de perder o outro.