20 de junho de 2013

Um país mudo não muda

Manifestar, maneira de demonstrar um ponto de vista, uma ideia, ato de expressar um pensamento ou sentimentos, ação de se expressar publicamente, ato de tornar público.

Pois bem, então que as muitas vozes que estão nas ruas do nosso país façam  públicas as inúmeras insatisfações vividas por todos nós. Chega de silêncio !

O aumento das passagens dos ônibus foi apenas o inicio de muitos motivos pelos quais as pessoas saem as ruas. A falta de segurança, as filas nos hospitais, ensino precário e mais uma lista de serviços públicos que deveriam ser de primeira pelo custo que tem em impostos altíssimos.

Sim é verdade, que o período é de menos fome, mais visibilidade internacional, mais esperança no futuro. Mas há um descontentamento imenso por tanta falta de representatividade dos políticos, que nós mesmos colocamos lá para reivindicar por nós, e que parecem ter esquecido do seu primeiro papel.  Quem grita é o povo que está estrangulado com as contas duplas que está pagando, a pública e a privada. É o povo que pensa e que não aceita os  retrocessos expressos como por exemplo a aprovação da “Cura Gay”, a proposta do  Estatuto do Nascituro, a PEC 37... O que é isso?

O que acontece é que agora a internet, este fabuloso veículo de comunicação, facilita e permite compartilhar falas, anseios, interesses, favorecendo a promoção de manifestações coletivas, mas a força maior está na presença das pessoas nas ruas.

Parabéns a todos os corajosos que estão gritando e dizendo não, pois como está escrito em inúmeros cartazes carregados nas avenidas: “Um país mudo não muda”, “Ninguém pode negar a um jovem o direito de sonhar”.

E que tudo seja feito com o máximo possível de Paz!

Nenhum comentário:

Postar um comentário