30 de abril de 2013

Perdoar e ir adiante



A capacidade de perdoar, seja  ao outro, a sí  ou  a “vida” pelo que ela tem propiciado de desafios,  é  uma ação de bondade consigo.  Ação esta que, acima de tudo, liberta e permite ir adiante.

Trata-se de um  processo de “libertação” que se dá em  mão dupla, cujo sinal verde é a compreensão de que pouco somos para julgar, seja lá o que envolver os motivos mais profundos do nosso  humano.
 
É, eu sei o quanto difícil é perdoar, pois não existe um botãozinho para os sentimentos que precisamos ter para nos permitirmos, mas é bom pensarmos que nós podemos aprender a propiciar um ambiente para.
Para algumas coisas importantes na vida querer é o início e, diante do desejo ou da percepção da necessidade, nós  podemos refletir a respeito do que nos ajuda.
 
Eu poderia lhe perguntar: o que você condenou para ter que perdoar? A quem? Como? Pois bem, comece refletindo sobre o seu verdadeiro alcance sobre os mais profundos motivos desta condenação. Se você acha que não condena, pense bem se não...mesmo que seja a você próprio. Algumas pessoas fazem isso com tal habilidade que nem percebem que julgam.

Ajuda se ampliarmos um pouquinho o olhar para a nossa versão de juiz. Qual é a sua? Como são as avaliações que fazemos a respeito das pessoas que convivemos? Que tão pouco sabemos do outro para avaliar seus certos e errados.  E quanto a você próprio, em que situação cometeu tal “erro”?

Pois bem, perdoar-se para ir adiante e quem sabe mudar, se necessário, pode ser a grande sabedoria que irá lhe permitir crescer e aprender com o que vai surgindo no caminho.  Um movimento de bondade e tanto, especialmente consigo, em qualquer forma de perdão que abordarmos!

Olhe aí o que achei buscando um poema sobre este tal de perdão.

PER"DOAR"
... Aprendi, outro dia que perdoar é a junção de "per" com "doar".
Doar é mais do que dar.
Doar é a entrega total do outro.
O prefixo "per" que tem várias acepções, indica movimento no sentido "de" ou em "direção" a ou "através" ou "para" etimologicamente falando, portanto, perdoar, quer dizer doar ao outro a possibilidade de que ele possa amar, possa doar-se.
Não apenas quem perdoa que se "doa através do outro".
Perdoar implica abrir possibilidades de amor para quem foi perdoado, através da doação oferecida por quem foi agravado.
Perdoar é a única forma de facilitar ao outro a própria salvação.
Doar é mais do que dar: é a entrega total ...
Perdoar é doar o amor, é permitir que a pessoa objeto do perdão possa também devolver um amor que, até então, só negara ...

 (Artur da Távola)


19 de abril de 2013



"Toda história tem um fim, 
mas na vida cada final
 é um novo começo!"


Grande Menina Pequena mulher

16 de abril de 2013

Acompanhando nossos velhos


"Para todos a velhice dos pais anuncia a própria velhice. É talvez o primeiro grande confronto com a fragilidade e com a finitude. Os filhos que olham aterrorizados para os passos claudicantes dos pais não temem apenas que eles caiam, mas principalmente que serão os próximos a ter pernas que vacilam. Ainda que não confessem nem para si mesmos, talvez seja este o maior horror. E este é um momento bem periclitante da vida. E quando isso se dá por volta dos 40, 50 anos, o confronto acontece quando o corpo está dando os primeiros sinais inequívocos de que já não somos tão jovens. É um duplo desafio, a velhice dos pais e o anúncio do próprio envelhecer. Que nem se compara, e isso também é preciso lembrar, com o desafio abissal que é ser velho – e ser velho nesse mundo em que, além de todas as dificuldades da idade, é preciso brigar para ser respeitado. E escutado".
Eliane Brum.

Este texto  foi publicado por uma amiga no Facebook e eu achei super importante reproduzi-lo, pois seguidamente eu  acompanho filhos  que se recentem e sofrem imensamente com o processo de envelhecimento de seus pais. Pais, muitas vezes, muito ativos, incansáveis em suas formas de apoio e acolhimento aos filhos. Verdadeiros exemplos e modelos de força que, de repente, passam a depender, a se ressentir, se lamentar e até atacarem os próprios filhos, casos nada incomuns nas Demências e em outras doenças similares.

Aqui vai a minha tentativa de conforto a estes filhos, tão bem intencionados quanto foram os próprios pais, mas com tão pouca informação e tantos medos. 

Eu atendo a adultos e adolescentes e vejo todos os dias os esforços dos jovens em se tornarem "alguém". Lembram disso?  É uma batalha esta estoria de definição de uma identidade e seu colorido próprio, mas o maior desafio é se tornar responsável e autônomo.

Pois como, ao se perceber em dado estágio de envelhecimento,  deixar esta autonomia a tanto custo conquistada sem sofrer? Como se perceber entregando as responsabilidades sem ter necessidade de reagir? Cartão de banco, direção do carro, andar livre e só... Como se imaginar perdendo um tipo de colorido singular, forte e robusto, sem sentir um pouco? Toda a fase tem seus desafios e suas conquistas...um dos maiores da velhice é o desapego!

Sábio é aquele que se permite subir e descer a montanha. É preciso compreensão com o processo dos nossos velhos  e um olhar especial para sí, tornando a própria caminhada de os acompanhar mais leve.

3 de abril de 2013

Psicóloga na Zona Sul

Queridos clientes e amigos

Tenho o prazer de informar que a partir do dia 08 de Abril estarei atendendo também na Zona Sul de Porto Alegre.

Já a algum tempo venho elaborando um projeto específico para a região, pois como moradora e boa observadora, ao longo de alguns anos notei duas especiais necessidades: a demanda de muitas mulheres de um trabalho que contemple as suas necessidades e a de atendimento a adolescentes e adultos jovens.

Não são novidades os meus trabalhos junto ao público feminino. Grupos de relacionamentos, oficinas de sexualidade e outros tantos sobre os diversos temas da mulher e mãe de hoje. A novidade para a Zona Sul é o Grupo Mulher Hoje - Tons e Cores de Ser. Este terá início em maio e deve segur até o fim do ano. 

Para o público adolescente, estarei com os atendimentos individuais e o Grupo PALAVRAS DA GALERA, que iniciará em Maio. Os bate-papos sobre orientação vocacional e comm pais ainda não tem data marcada.

Entre em contato. Será um prazer.

claudiaguglieri@gmail.com
Agendamentos: (51) 3333.7052