29 de junho de 2012

Neste fim de semana tem...











Artimanhas de Scapino

De Molière no Theatro São Pedro. Eu vou no domingo, não poderia perder. Não só pela montagem em si, que já justificaria, mas pela participação do meu querido amigo Carlos Paixão. Dias 29 e 30 de Junho e 1º de Julho. Sexta e sábado, 21h e domingo às 18h, no Theatro São Pedro.


Sobre Moliére

Jean-Baptiste Poquelin, mais conhecido como Molière, (Paris, 15 de Janeiro de 1622 - 17 de Fevereiro de 1673), foi um dramaturgo francês, além de ator e encenador, considerado um dos mestres da coméida satírica. Teve um papel de destaque na dramaturgia francesa, até então muito dependente da temática da mitologia grega. Molière usou as suas obras para criticar os costumes da época. É considerado o fundador indirecto da Comédie-Française.


Sobre a Montagem

A Cia de Teatro ao Quadrado completa 10 anos em 2012, uma década dedicada às montagens teatrais, formação de atores e espetáculos de sucesso no repertório. Para comemorar data tão emblemática, optou por uma grandiosa montagem de Molière, num também grandioso palco: Artimanhas de Scapino, com estreia dia 29 de junho no Theatro São Pedro. A montagem do Teatro ao Quadrado ganhou direção de Margarida Leoni Peixoto e traz no elenco os atores Marcelo Adams, Claudia Lewis, Gustavo Susin, Luísa Herter, Marcelo Mertins e Vinícius Meneguzzi, além dos atores convidados Carlos Paixão e Paulo Vicente. A cenografia é assinada por Élcio Rossini e o texto foi traduzido por Carlos Drummond de Andrade. Considerada uma das mais perfeitas comédias de Jean-Baptiste Poquelin, o Molière (1622-1673), o maior dramaturgo francês de todos os tempos, Artimanhas de Scapino foi uma das últimas peças que escreveu, com estreia em 24 de maio de 1671, no Théâtre du Palais-Royal, em Paris. Causou estranheza entre seus contemporâneos o retorno do autor à farsa rasgada, gênero que rendera a Molière a simpatia do futuro rei Luís XIV, com a apresentação de O doutor amoroso, em 1658. A Commedia dell’arte era conhecida por Molière através das excursões feitas pelas trupes italianas à França, onde apresentavam suas peças acrobáticas e burlescas, em que os atores dispunham de um roteiro (o canovaccio) sobre o qual improvisavam falas. As máscaras (ou tipos) que povoavam essas histórias têm parentesco com as antigas farsas atelanas, e figuras como Arlecchino, Brighella, Colombina, Dottore e Pantalone entraram para o imaginário universal desde então. Scapino, o protagonista de Artimanhas de Scapino, é um típico zanni, o criado da Commedia dell’arte: esperto, um tanto covarde, e sempre disposto a tirar alguma vantagem, especialmente dos velhos ricos que o atormentam. Nesta trama criada por Molière, Scapino e Silvestre, os dois criados a quem foram confiados os jovens Leandro e Otávio, fazem de tudo para unir seus amos às apaixonadas Zerbineta e Jacinta – sempre contra a vontade dos dois velhos pais, Gerôncio e Argante. A ideia de engrenagem perpassa a montagem da Cia Teatro ao Quadrado, em que a mola mestra é Scapino, o manipulador privilegiado que impulsiona as outras personagens a agirem em um ritmo frenético. As canções que permeiam a montagem gaúcha refletem a musicalidade da movimentada farsa que o genial autor francês nos legou. Artimanhas de Scapino. Dias 29 e 30 de junho e 1º de julho.Sexta e sábado, 21h e domingo às 18h. Theatro São Pedro – Praça Marechal Deodoro, s/n – Centro – Porto Alegre.

Saiba mais

Nenhum comentário:

Postar um comentário