21 de novembro de 2011

Na linha de mudança


Varias vezes eu escrevi aqui que a vida é feita de ciclos e que estes ciclos são feitos de um conjunto de “coisas” que vão saindo do nosso foco para darem espaços a outras. Pois este processo esta muito intenso no meu momento profissional. Eu estou diminuindo alguns interesses para dar lugar a outros e este tem sido o motivo do meu silencio.
Lembrei aquelas mães que dizem que quando uma criança esta muito quietinha é que está aprontando. É eu estou aprontando, estou mudando a forma. Logo este espaço vai ter outra cara e o seu foco modificado, mas enquanto isso não acontece eu vou indo devagar, como quem está recolhido para deixar brotar.

A gente se transforma a partir das experiências que vai vivendo e eu, com a maternidade, passei por um intenso processo de deixar a teoria de lado para viver na pratica. O meu “ouvido” se transformou a minha ação e o meu caminho esta se redirecionando junto com os interesses. Cada vez mais a Gestalt-terapia, em seu aspecto mais fenomenológico, faz sentido e cada vez mais as suas idéias direcionam o meu olhar.

Lembrei da fala da querida Jean Clark dizendo que as idéias nos ajudam a organizar um mapa temporário que nos dão um certo senso de direção naqueles momentos, tão freqüentes e humanos, em que nos sentimos perdidos. Isto sempre me soou muito acalentador para aqueles que já acompanhei na sua linha de mudança. Aquele lugar que se fica quando o velho, do jeito que era, já não serve e o novo ainda não tem cara.

Pois bem que a teoria sirva para mim!


3 comentários:

  1. Como Roberto Crema costuma falar, em relação a nossos processos mutacionais, a lagarta já morreu, mas a borboleta ainda não nasceu.

    Um abraço, Claudia, desejando plenas e autênticas transformações a ti e ao teu espaço virtual!

    ResponderExcluir
  2. Ficarei aguardando então.Gosto de ler o que você escreve.Um excelente Domingo.

    ResponderExcluir