19 de junho de 2009

Porque todos nós temos talentos

Agora as sextas é das pessoas que venho acompanhando na suas jornadas de crescimento, a proposta é dar espaço para que as pessoas possam se colocar e mostrar seu potencial. O Luis mandou o recado de hoje através de uma poesia.

Lê-la é um desfrute e um aprendizado.

Do amor insaciável

Seria mais fácil represar os rios.
Emudecer o trovão.
Pedir que as águias contenham-se no solo.
Do que tentar entender o amor dos que não amam.
Do que tentar entende o amor dos que não se amam.
Nunca estive tão perto da idéia do quanto as coisas são transitórias.
Nunca vi tantos mortos em volta.
Nunca vi tantas coisas se acabando ao mesmo tempo.
O que afinal vai sobreviver?
O que deixaremos sobreviver?
Que sentido a vida terá além disso?
E existirá vida além disso?
Não quero ser apenas um sobrevivente.
Aquele cara inesquecível cuja a única qualidade é a de ser inesquecível.
O esvaziamento do eu pelo simples esvaziamento.
Trocar seis por meia dúzia.
Ser da oposição do contrário oposto de si mesmo.
Fazer da utopia um idealismo.
Provar que nada faz sentido.
Nadar, nadar, nadar, pra depois morrer na praia.
Sozinho!
Pra onde a gente estava indo mesmo?
Amor ou política amorosa?
Freud ou Jung?
Ninguém precisa nem merece isso.
Nem a puta que pariu.
Chega de gurus.
Chega de mestres.
Que as rádios façam um minuto de silêncio.
Que o bisturi dos cirurgiões parem no ar.
Que o teor de nicotina seja um pouco menor.
Que o grama do ouro não seja tão caro.
Ou não vai sobrar um único porque, uma única razão para se estar vivo.
Mas não.
Nós sabemos tudo.
Tudo.
A vida é como um joguinho Lego.
A gente monta e desmonta quantas vezes quiser.
Quem não quiser a gente chama de insensível.
Todos vão querer.
Menos eu...
Eu prefiro acreditar que há vida em Marte!

Luís Poeta

2 comentários: