9 de fevereiro de 2009


Querido leitor, eu não poderia deixar de compartilhar esta entrevista que saiu no site WWW.baguete.com.br e também estas outras matérias abaixo

São todas sobre o meu trabalho com o Método Sheng em equipes WWW.eagora.com.br , WWW.revistafator.com.br/index.php

Cláudia Guglieri - Gestor, diferenças enriquecem o grupo

A soma das diferenças, além dos conhecimentos e habilidades individuais faz com que empresas alcancem seus objetivos. A afirmação da psicóloga relacional Cláudia Guglieri evidencia uma nova forma de valorizar o indivíduo nas equipes de trabalho e nas dinâmicas de grupo.

Teorias de que pessoas com determinados traços de personalidade devam ser suprimidas do grupo por não se adequar ao perfil da empresa cede lugar a novos paradigmas entre os gestores mais preocupados em reter talentos.

Para Cláudia, que é mentora de uma metodologia que une medicina tradicional chinesa com a psicologia de Gestalt – o Método Sheng - as diferenças são a chave do sucesso no mundo dos negócios.

A psicóloga esclarece que a visão chinesa de crescimento parte do modelo dos cinco elementos (madeira, fogo, terra, metal e água) para formar sistemas de funcionamentos. Este modelo contempla um elemento ou aspecto de força hábil diferente para cada integrante que compõe um todo, e é o que estabelece a lei de complementaridade.

A entrevistada da semana é psicóloga especialista em Medicina Tradicional Chinesa, idealizadora da Terapia Sheng das Nove Personalidades. Graduada em Psicologia com ênfase em Psicossomática pela PUC/RS e formada em Medicina Tradicional Chinesa pelo Instituto Sohaku-in – Centro de Terapia Integrada do Rio de Janeiro. Coordenou o grupo de atendimento interdisciplinar do Centro Caris Saúde de Porto Alegre por oito anos e atua, desde 1992, com terapias corporais.

O que é o Método Sheng dos cinco movimentos?

Cláudia Guglieri: Um método de desenvolvimento pessoal, relacional e de ações em trabalhos de equipe. Foi criado com base nos cinco movimentos da Medicina Tradicional Chinesa (madeira, fogo, terra, metal e água) e faz delas ferramentas para identificar o movimento natural de cada pessoa, para compreender sua dinâmica de funcionamento individual e dentro da equipe na qual ela está inserida. Aposta na valorização da natureza das pessoas e nas diferenças individuais como a grande força que equilibra e impulsiona uma equipe.

De que forma ela pode ajudar aos empresários?

Cláudia Guglieri: Orientando-os sobre a importância da valorização dos diferentes indivíduos que compõem uma equipe para promover o crescimento e o progresso do todo. Ajuda ainda na definição e clareza dos propósitos da empresa, das equipes, das tarefas e dos profissionais; na valorização do pessoal em vários aspectos; na forma com que as pessoas da equipe se relacionam com as tarefas e com os colegas. A partir de um trabalho de valorização das “naturezas” do profissional e das tarefas se faz o chamado afinamento de movimento e dinâmica e desta forma se consegue mudar conceitos e visões quanto às diferenças, complementaridades e, assim, se amplia a força das equipes.

Como valorizar o indivíduo em tempos de valorização de trabalho em equipe e colaboração?

Cláudia Guglieri: Invista nas habilidades naturais, cada integrante de uma equipe tem um perfil específico que contempla habilidades para a atividade certa, ou seja, um jeito natural que favorece sua ação na tarefa. Ao olhar para uma equipe, é possível descobrir o que cada um tem de hábil e forte. Dando espaço e expressão a este movimento obtêm-se profissionais satisfeitos consigo e com a tarefa para a qual foram designados. Quando uma pessoa percebe que o seu jeito de ser ou de executar ações em um movimento, se torna necessário para o todo se sente importante e mais valorizada. Ganha o funcionário, e por conseqüência, seu empregador.

Em quê consiste a visão chinesa de crescimento?

Cláudia Guglieri: Os chineses ao longo de sua história aprenderam a usar o mapa dos cinco movimentos para visualizar, analisar e definir ações para qualquer fenômeno, tendo como referencia o yin e yang para entender as relações.
Acreditam que a soma das forças das naturezas individuais transforma o todo. Os chineses apostam na dinâmica de nutrição dos movimentos, onde cada um é fundamental para nutrir o movimento do outro e usam do conceito dos opostos e complementares (yin Yang) para transformar as diferenças em vantagens.

Em tempos de crise, o que a empresa deve fazer para valorizar os indivíduos e assegurar um bom ambiente de trabalho?

Cláudia Guglieri: Em períodos de crise há um aumento dos medos, das inseguranças e competições internas. Os fantasmas relacionados à perda do cargo, emprego e benefícios são portas abertas para todo tipo de interferência no desempenho da criatividade e tranqüilidade para a execução das ações mais minuciosas. É sábio trabalhar a segurança informando e propondo soluções conjuntas, isto ajuda a diminuir a insegurança e comprometer a todos com o processo. Neste momento, pode ocorrer uma desatenção para com os funcionários, e é justamente em época de crise, que eles precisam de mais atenção, pois são a força de movimento da empresa. Investir em pequenas iniciativas mais criativas do que custosas, podem ajudar a manter o grupo harmônico e motivado.

Quais os principais ensinamentos da terapia?

Cláudia Guglieri: Os principais ensinamentos estão no respeito às diferenças e na percepção de que elas podem trabalhar a nosso favor. No modelo dos cinco movimentos da medicina chinesa é revelada a existência de diferentes naturezas (jeitos de ser, sentir, agir...) que podem conviver e se relacionarem de forma harmônica e equilibrada. Isso nos revela que dentro de uma empresa todos podem ganhar, não só os envolvidos com os fenômenos. É hora de nós ocidentais enxergarmos os benefícios do ensinamento da referência oriental do yin/yang, e aprender que os opostos são complementares, que um não vive sem o outro e que é justamente isto que nos confere vitalidade.

Nenhum comentário:

Postar um comentário