16 de fevereiro de 2009

Conheça o I Ching


Alguns dos leitores mais freqüentes deste espaço já estão familiarizados com a influência da filosofia chinesa nas publicações e, é claro, o tom de “psi” da minha fala. Também pudera estes tem sido os mentores do meu olhar de pessoa.

Nesta publicação pensei em mostrar um pouco mais sobre estes aspectos no I Ching, o livro dos sábios que orientou imperadores e guiou dinastias.

Conhecer os caminhos do I Ching é conseguir perceber as influências da vida, entender impulsos externos e internos, aprender a dominá-los e a escolher movimentos e caminhos com mais clareza.

Segundo um dos maiores estudiosos que conheço, o Prof. Roque Severino, conhecer o I Ching é aprender a tirar as lições dos elementos, como por exemplo, no momento devido ser firme como a montanha, ser silencioso como a terra e adaptável como a água, ser gracioso como o lago e ativo como o fogo, suave como o bom vento da primavera, penetrante como a raiz na terra, enérgico como o machado que corta a madeira, enfim, ser um como os elementos que compõe este magnífico universo.

Os elementos nos mostram como, aplicando-os em nosso caráter, podemos transformar nossa vida em algo lindo de ser vivido e de ser experimentado. Segundo o professor a rotina não está fora do ser humano, ela é produto do cansaço pela luta diária que mantemos contra a vida, é produto da falta de visão e comunhão com os elementos mais puros da natureza. E penso que, principalmente, com a falta de integração com o nosso movimento (elemento) mais natural e essencial.

Observe a primeira síntese de entendimento deste livro orientador, elas estão na seguinte ordem:

O WU CHI ou o extremo silencio e a extrema quietude, ou o abismo insondável.

As forças polares, Yin e Yang, que estão em tudo e a tudo regem e influenciam. Os opostos complementares: o dia e a noite, o verão e o inverno, o cisne cósmico, que como nós, tem uma asa branca e uma negra.

Depois os Cinco Elementos , forças que animam o universo, se manifestam em nossa natureza interna e nos movimentos externos que nos rodeiam (as cinco emoções). No I Ching eles estão relacionados aos trigramas, por exemplo, quando Kun (terra) se manifesta em nossa vida, ficamos envolvidos pela introspecção, ou pelo lar, ou pela ambivalência...

Depois as quatro relações entre os elementos, que são: produção ou boa fortuna, destruição ou infortúnio, extinção ou leve infortúnio e respeito mútuo ou situação de equilíbrio.

As cinco direções (de ações ou influências) Norte, Sul, Leste, Oeste e Centro.

6º As quatro estações que nos influenciam com a sua energia, impulsos e necessidades. Outono, Inverno, Primavera e Verão.

Por enquanto é isso, aos poucos vou trazendo mais informações...

Nenhum comentário:

Postar um comentário